quarta-feira, 11 de abril de 2007

E era uma vez em Azeroth...

Não lembro muito bem a ordem dos fatos, mas lembro que um dia falávamos sobre MMORPG
e como sempre, um amigo do amigo do amigo conhecia o World of Warcraft (WOW).

Um belo dia, visito o Edson César e pra minha surpresa o tal jogo estava lá instalado. Era final de 2005 e o fim das noites sem ter o que fazer. Nem precisei de conta guest, comprei o serial key do jogo, pois na selva loja alguma vendia tal maravilha.

O jogo é extremamente fácil de instalar, inclusive não tem proteção alguma. Inocentemente, instalei uma cópia com o CD-KEY comprado no Mercado Livre. E então lá estava eu em Azeroth.

Eu nunca fui um grande jogador em absolutamente nada. Não jogo bem basquete, voley ou futebol. Nunca fui o melhor jogador de jogo algum. Não sei aonde eu estava com a cabeça ao começar a jogar WOW.

Um anão caçador, claro, chamado Minguado (que outro nome dar pra um pobre anão...). E assim começou o vício. Tudo girava em torno do WOW e quanto tempo faltava para jogar novamente. Todo dia várias horas, inclusive minhas férias inteiras, tudo para "uppar" o anão.

Entrei numa Guilda (grupo de jogadores do WOW) chamada "Kings under the Mountain", lógico que só anões podiam participar. Alias, para quem joga WOW: já repararam o pé direito de Iron Forge? Acho que um dos maiores do jogo inteiro... e numa cidade de anões, grandes colunas vem para compensar algo.

O jogo é extremamente viciante e você acaba fazendo uma das duas coisas: ou chama seus amigos para jogor ou joga seus amigos fora e se dedica a guilda. Eu acabei por viciar outros amigos, já que Azeroth é um lugar perigoso para uma pequeno anão andar sozinho.

Minguado passou a lutar com Quidor (César) e Festrati, também anões. Nível após nível, milhões (~4.000.000) de pontos de experiência depois, chegamos ao nível 60, o limite na época.

O engraçado disso foi o efeito em nossas vidas. De repente quem não jogava WOW era completamente alienado, por fora do mundo. WOW era assunto preferido em festas, almoços e jantares. Nossas esposas chegaram a fazer o clube das "Viúvas do WOW"...

Isso tudo piorou quando em algum momento encontramos os "Southern Cruzaders". Imaginem só, uma guilda só de brasileiros ou de pessoas que falam português. Não precisa dizer que agora tínhamos um exército completo em Azeroth. Uma guilda para fazer os temíveis "dungeons" do jogo. Todas as noites eram de combates intermináveis em Zul´Gurub. Boss após boss, estávamos lá. Recomendo a guilda para quem deseja não ver novela e se alienar completamente deste mundo :-)

Acho importante ressaltar o momento WOW, já que jogo há quase dois anos. O tremendo esforço de jogar um MMORPG na floresta. Manaus não tinha fibra ótica, parece que agora já tem. Eu tinha um poderoso link de 600 Kb em casa (via satélite), com nada menos que 1600 ms de latência pros servidores do WOW. Era como jogar pelo correio. Perfeito para meus reflexos de pedra, mas terrível pros pobres coitados que faziam missões comigo. PvP ? Nem pensar. Eu avistava o pessoal da Horda, em segundos eles estavam batendo muito perto, no outro slide eu já estava morto... mas parece que agora está bem melhor. Mesmo na era da Internet, continuamos sendo prejudicados por este tipo de coisa. Como poderemos alimentar nossos vícios eletrônicos sem uma rede rápida? Já falei que a net aqui na Bélgica é muito boa? Não? Claro que eu não vim para cá por causa da Internet, ou será que vim...

O vício continuou até eu me mudar para Bélgica. O fuso horário me impediu de entrar em contato com o pessoal da Guilda e acabei ficando impossibilitado de jogar com os amigos no Brasil. Preciso dizer que agora jogo nos servidores europeus? Curado do complexo de inferioridade, ou não, criei outro caçador, night elf, em Spine Breaker. Mas não jogo mais que umas 4 horas por mês. Tenho tempo agora para cortar a grama e dar atenção para família.

Bem, tudo que sei é que jogando menos consegui tempo para várias outras coisas. WOW é muito bom, mas como tudo tem que ter limites. No início deste ano, foi lançada uma expansão para o jogo... e agora todos foram para o nível 70 e em busca de seus dragões e mounts voadoras...

Se você ainda não sacou o quanto a coisa é viciante, visite WOWDetox. E lembre-se, a melhor maneira de parar é nem começar :-)

LSK
Ex-Minguado, Predak


Um comentário:

Tchê disse...

WOW é uma maneira muito boa de se divertir, prá mim continua sendo :D.

Já estou com 2 chars level 70 :D

Lembre-se você é o maior culpado, você me induzio ao vício.

Mas realmente é algo que consome muito nosso tempo, mesmo colocando "limites", meus "limites" ficarm grandes demais, ou seja, há bastante espaço para jogar :D.