sexta-feira, 13 de abril de 2007

Pirataria para quê?

Fico pensando em quantos softwares alguém consegue dominar.

Lembro de amigos super equipados. Na mesma máquina: CorelDraw, Photoshop, 3D Max, Autocad, etc. O mesmo para outros tipos de programas, fora a centena de jogos instalados. HDs de 300 GB lotados de tudo que se possa imaginar...

A resposta para isso pode ser pirataria ou pura falta do que fazer. Eu conheço pouca gente com tanto dinheiro para ter todos estes programas ao mesmo tempo. Mas pode-se consegui-los em algum torrent da rede... ou pelo jornal com entrega a domicílio.

Não vou entrar no mérito de copiar ou não copiar, é ilegal e pronto.

O fato que realmente me preocupa é o tempo gasto para se tentar aprender (não por muito tempo, pois logo surge outra novidade) e o vício (compulsão) que algumas pessoas desenvolvem. Saiu versão nova? Tenho que ter! Muitas vezes a tal versão nova não trás nada de novo para o trabalho que a pessoa faz. Mas é um ritual: servos do setup, escravos do DVD e do CD-R.

O mesmo acontece com filmes. Certa vez eu administrava uma rede local. Um certo dia, analisando os registros de acesso vi que a utilização de Internet no escritório tinha sido máxima durante toda madrugada. Um certo sujeito resolveu baixar um filme, lançamento claro, utilizando um software P2P qualquer. A qualidade do filme era um lixo, mas o importante era baixar a imagem e gravar em disco o mais rápido possível. Além de utilizar a rede para fazer besteira, o software estava mal configurado e transformou nossa rede num difusor de pirataria. Gente do mundo inteiro se conectava e a fonte era na nossa rede. Mas ok, o susto passou e o programa foi removido. Quantas vezes o cara assistiu o tal filme? Acho que nunca, pois a versão era em inglês e ele ainda ia procurar a legenda. O importante era baixar, gravar, etiquetar e por na estante. Criar quantidade, ocupar espaço. É interessante como isso pode se tornar um passa tempo.

Todos temos vícios. Eu jogava World of Warcraft, para variar... quando no chat da guilda o assunto foi o filme 300. Um dos "guildies" comentou o excelente filme: vale a pena pagar os £10 para ir no cinema. O servidor que jogo é na Inglaterra, só para não pensar que esse mal existe só no Brasil. A questão era baixar o filme ou o torrent. Direito autoral ou qualquer outro assunto ficaram fora de questão. Eu fiquei tão curioso que resolvi assistir ao filme. Paguei €13,00 num pacote de 3 ingressos, gastei 2 (levei a esposa) e fiquei com um para ver outro filme. O filme é realmente muito bom, mas nem por isso resolvi chegar em casa e baixar o torrent. Pelo contrário, comecei a pesquisar na Wikipedia e terminei por achar um site que separava Realidade x Ficção (um FAQ aqui).

Eu decidi ir ao cinema a tarde e uma hora depois eu estava no cinema, assistindo ao filme com som THX. Tudo muito rápido. O ponto é: quanto tempo eu gastaria para baixar o tal filme? Mesmo com banda larga, dificilmente o torrent chegaria a velocidade máxima... eu imagino que eu demoraria de um a dois dias no melhor do meu otimismo... Agora, quanto vale o meu tempo? Minha esposa foi ao cinema comigo e ganhei alguns pontos com isso :-) Tenho certeza que ela não toparia assistir ao filme no micro. Mas, usando meus custos por aqui: 48 horas de micro ligado... um consumo de uns 200W... mais a mídia do DVD para gravar o filme... mas o tempo de gravação (ok, é bem rápido, mas não vou deixar de fora :-)). Se tudo desse certo, quanto isso teria me custado? Acho que no final eu fiz um bom negócio. Eu faço este tipo de avaliação antes de fazer qualquer coisa. Mas cada um é cada um. Se eu não tivesse os tais €13... se o cinema próximo de casa não tivesse som THX, se a sessão fosse mais tarde...

Outra coisa que eu penso: o que dizer aos meus filhos sobre o tal DVD? O que se diz nestas horas? É pirata, mas não faz mal a ninguém? É ilegal, mas não conte pra ninguém? Quando se tem filhos, este tipo de questão passa a vir a tona. É difícil educar uma criança dizendo faça o que eu digo e não faça o que eu faço.

Falando em filhos, meu filho pediu um video-game. Nada menos que o PlayStation 3... suei quando ouvi o pedido. A super-máquina custa €600,00. Ok, é um leitor de Blue-ray + DVD + um micro e um vídeo game de brinde. Mas cada jogo custa entre €55 e €60! Acho que ele vai ter que escolher outro presente, é simplesmente muito caro a longo prazo. Talvez um Wii ajude nos custos...
Vejamos o outro lado. Os cálculos pra um vídeo game, utilizando-se os dados de qualquer jornal do Brasil: vídeo game (PS2) + ou - R$1000,00 (com chip, claro), jogos entre R$10,00 e R$20,00 :-( Temos uma indústria marrom só para sustentar esse tipo de coisa. Já imaginaram quanto dinheiro isso gera? E como esse dinheiro é usado? O pobre do camelô é mais uma vítima. Quem ganha dinheiro são as pessoas que distribuem esses produtos. Outro efeito é que uma criança que recebe uns 5 CDs ou DVDs de jogos de uma só vez, provavelmente não terminará de jogar nenhum deles. São tantas opções que ela troca rapidamente de um jogo para outro, sem foco. Em um mês ou dois, provavelmente estará pedindo outros jogos.

Acredito que seja a mesma coisa que acontece com adultos. Windows Vista? Tenho que ter! E se recomeça o ciclo.

Resumindo, a meu ver, pirataria é perda de tempo. Eu gostava quando os CD's vinham com a letra das músicas e quando software tinha manual impresso. Acho que estou ficando velho. Mas dizer o quê? Sobrevivi a selva e lá isso já foi importante.

Nenhum comentário: